Buenos días Madrid

Buenos días!

The weather is not the best, but what can we ask during winter? At least, is not cold.

After a long night on a train – the Tren Hotel – with a “room” just for myself and my mom and bunk beds for a long night of “sleep”, here I am, finally in Madrid. This time, and since we organize the trip a little late, we decide to go by train (flights were exactly the same price).

les voyages-cópia

Is not the first time (and I hope it will not be the least) that I come to Madrid, but last time was already 7 years ago. Many things have changed, but the main points are still the same.

The first day was a day to see old friends and enjoy a great “El Rey León” Musical (Lion King) that have been in this city for 3 years already. It was sold out and after 2h45 of show, I totally understand why! From the musicians, the singers, the actors, the dancers to the absolutely fabulous wardrobe and organization of the show, I couldn’t stop smiling and be amazed at everything.

What a great way to start my trip to Spain!

Enjoy your journeys,

Beatrice

Buenos días!

O tempo não está o melhor, mas o que se pode pedir no inverno? Ao menos não está frio…

Depois de uma longa noite no comboio – o Tren Hotel – com um “quarto” ou cabine, apenas para mim e para a minha mãe e um beliche para uma longa noite de “sono”, aqui estou eu, finalmente em Madrid. Desta vez, e uma vez que organizámos a viagem um pouco em cima da hora, decidimos ir de comboio (os vôos estavam exactamente ao mesmo preço).

Esta não é a primeira vez (e espero que não seja a última) que venho a Madrid, mas a última vez que aqui estive já faz 7 anos. Muita coisa mudou, mas os pontos de interesse principais, continuam na mesma.

No primeiro dia, foi dia de ver antigos amigos e desfrutar de  um excelente “El Rey León” Musical (Rei Leão) que está na cidade há já 3 anos. Estava completamente esgotado, e depois de 2h45 min de espectáculo, consigo totalmente perceber porquê! Desde os músicos, os cantores, os actores, os bailarinos, ao absolutamente fantástico guarda-roupa e organização do espectáculo, eu não consegui parar de sorrir e de estar maravilhada com tudo.

Que bela maneira de começar a minha viagem a Espanha!

Boas aventuras,

Beatrice.

Kalocsa

Hello travellers!

So, after more than 1 year, I come back to the stretch Budapest-Bucharest for 15 days. Today was the day to visit Kalocsa, still in Hungary; and Puszta, what they call as farm, where the Hungarian cowboys take care of the horses.

The city of Kalocsa, 2 hours and a half from Budapest, has only over 17 thousand inhabitants and it’s one of the oldest cities in Hungary. Here was one of the two bishopric seats founded by King Stephen, in 1009, from 10 dioceses of the country, along with Esztergom. In this city, we can find also the Paprika Museum, the famous pepper, similar to the chili, but with different spicy intensities to give a special flavor to our cooking recipes.

In Puszta, I had the chance to get a carriage ride, start a friendship with the donkeys and even get to know a dog breed called Hungarian shepherd. 

Enjoy your journeys,

Beatrice

Olá viajantes!

Após um ano, volto ao estreito Budapeste-Bucareste por quinze dias. Hoje foi dia de visitar Kalocsa, ainda na Hungria; e Puszta, a chamada quinta húngara onde os cowboys húngaros tomam conta do gado e de cavalos.

A cidade de Kalocsa, a apenas a 2h e meia de Budapeste, tem apenas mais de 17 mil habitantes e é uma das cidades mais antigas da Hungria. Foi um dos dois bispados, fundada pelo rei Stephen em 1009 a partir de 10 dioceses do país, juntamente com Esztergom. Nesta cidade encontra-se também o museu da famosa Paprika, pimento semelhante a uma malagueta de diferentes intensidades de picante e usualmente utilizada em formato de pó, para acondimentar receitas.

Em Puszta, tive a oportunidade de dar uma volta de carruagem, travar amizade com os burritos e ainda conhecer uma raça de cão chamada pastor-húngaro.

Boas aventuras,

Beatrice

Back to Budapest

Okay! Vacation is over, but let me tell you how amazing this week was in Budapest. Three trains and six more hours, I was back again to Keleti, just in time to meet Zsofi for a dinner with girls’ talk. Readily we move to the Buda side of the city, where a concert in A38 was waiting for us at 8pm.Here, the nightlife starts early. The opposite from Portugal so. The band was Indie Maffia, a Hungarian group with Jamaica sounds. I leave here one of their video clips, with some images from Budapest, for you to fall in love with it, a little bit more.

Next day, and after a lazy morning, we did our own brunch with local products that we found in the market and left home to take a walk after the Portuguese visits arrive at the city.

We had a proper presentation to the Jewish neighborhood, which is so interesting during the day as during the night and I can say that either at the dawn or at the dusk, you can find different details. Which bar here open, has its own character and all together make this zone very charismatic. 


We went to the sidewalk along the river and from there took a tram to the Buda side. Here the tickets can be purchased next to the metro stations and can be used for all public transports: metro, buses, and trams; and cost 350 forints, around 1,10 euros.

Zsofi took us to Kopaszi Gát, or as we can say, Kopaszi bay, close to Rakoczi bridge. A magnificent sunset was already waiting for us here, in a park that inspires tranquility.

After the sun comes down, we decided to come walking back home. It is about 30 minutes, but Budapest is so flat that it was worth it. And there’s no better way to know a city! On our way, we found divine university buildings or just regular apartments. The architecture of this capital city is without doubts, one of the reasons why I like so much to come here, that leaves me all the time fascinated and with my mouth open.

In front of Elizabeth bridge we found Hotel Gellert and it’s thermal bath. This is the oldest in the city, even though the most famous one is Szechényi.

I also found on the way, a graffiti on the floor saying “I bike Budapest”. Even though I haven’t ridden any, Budapest is one of the best European cities to ride a bike, especially on Pest side, the flat side of the city. I bike Budapest is a specialized company that does tours or just rent bikes around Budapest.

Stay tuned for the next days.

Enjoy your journeys,
Beatrice.


Okay! As férias já acabaram mas deixem-me que vos conte como foi esta fantástica semana em Budapeste. Três comboios e seis horas mais, voltei a Keleti, mesmo a tempo de encontrar a Zsofi para um jantar acompanhado de “girls’ talk”. Prontamente seguimos para o lado Buda da cidade, onde um concerto no A38 nos esperava às 20h. Aqui oseventos nocturnos começam cedo. O oposto de Portugal portanto. A banda, chamada Indie Maffia, é um grupo húngaro com sonoridades da Jamaica. Deixo-vos um videoclip, com imagens de Budapeste para se apaixonarem um pouco mais pela cidade.

No dia seguinte e depois de uma manhã de preguiça, fizemos o nosso próprio brunch (breakfast+lunch) com produtos que comprámos no mercado e saímos para passear um pouco, após visitas portuguesas terem chegado à cidade.

Tivemos uma devida apresentação ao bairro judaico, que é tão interessante de dia quanto de noite e posso dizer que tanto ao amanhacer como ao anoitecer, se encontra pormenores diferentes. Cada bar aqui aberto, tem o seu próprio carácter e todos juntos, tornam esta zona muito carismática.

Fomos ao encontro do rio e daí partimos para o lado Buda da cidade, num eléctrico. Aqui os bilhetes podem ser adquiridos próximos das estações de metro e servem para todos os transportes: metro, autocarros e eléctricos; e custam 350 forins, aproximadamente 1,10 euros.

A Zsofi levou-nos até Kopaszi Gát, ou como quem diz, a baía de Kopaszi, perto da ponte Rakoczi. Aqui, um magnífico pôr do sol já nos esperava num parque que inspira tranquilidade.

Quando o sol se pôs, decidimos caminhar de volta a casa. São cerca de 30 minutos a pé, mas Budapeste é tão plana que não custou nada. E não há melhor maneira de se conhecer uma cidade! Pelo caminho encontrámos edifícios de universidades ou apenas apartamentos divinais. A arquitectura desta capital é sem dúvida uma das razões pelas quais tanto gosto de cá vir, que me deixa sempre fascinada e boquiaberta.

Frente à ponte Elizabete encontrámos o Hotel Gellert e o seu respectivo banho termal. Este é o mais antigo da cidade, embora o mais famoso seja o de Szechényi.

Pelo caminho, também encontrei um graffiti no chão que dizia “I bike Budapest”. Apesar de não ter pedalado, Budapest é uma das melhores cidades Europeias para andar de bicicleta, especialmente o lado Peste, que é mais plano. I bike Budapest é uma empresa especializada de tours pela cidade ou apenas aluguer de bicicletas.

Fiquem atentos aos próximos dias.

Boas aventuras,

Beatrice.

Meanwhile, in the middle of Austria

I suppose that you already have been asking where and what am I doing…Well! Your adventurer is on vacation and has chosen Austria and Hungary as destinies for her 14 days. Some coworkers have invited me, so I decided to spend some days in Mozart’s country, to get to know another place and reality. Destiny: Liezen, just in the middle of Austria and the mountains.

The landscape is like a Milka advertisement, where no, the cows are not purple, but the fields are green, the mountains are always with a little bit of snow and life is delicious as a piece of chocolate.

We disembark from our ship in Budapest and went straight to the train station – Keleti (in Budapest you have more than one). Three trains and six hours after (almost the same amount of time as to go to Prague and we didn’t have to change the train) we arrived. The sun started to come down and we had great plans for next day.

Vacation is vacation and this warrior decided nothing better than to enjoy an aqua park, 1 hour far (by car) from Liezen, em Bad Schallerbach (good luck to pronounce this name as it should be), just for a change. Next to a 4-star resort, called Paradiso, this aqua park has different swimming pools and slides for kids and grown ups. One of the pools even have an aquarium in the middle, so you can feel that you’re swimming with Nemo. Let’s say that we’ve decided to anticipate our “children’s day”.

I had the opportunity to visit the hotel and I can tell you that it has everything which is related to wellness and body care. From massage from any kind (aromatic, sensorial, etc), sauna from different types, Turkish bath with diverse smells, solarium, water beds and tea saloons, winter gardens…well, you got the idea.

Here we spent the first day of vacations and we stretch the journey with a ride to Schmiding’ Zoo on the next day. Open until 7pm in summer but with the last call at 5pm, this zoo is divided by Aqua Zoo or Zoo itself. The ticket can be bought for either one of them or for both, which cost us 16,70 euros per person.

I always get excited with the giraffes. This zoo doesn’t have a big diversity of animals, which I believe is a good thing, since, for a place where is situated, doesn’t have for sure a big amount of visits that can help to feed a lot of animals. It has, though, a good presentation of pre-history (however in german) with a representation of different dinosaurs species.

The weather in Austria was not the best. Airless during the day and chilly at night, didn’t allow us to spend time in a wood house, from one of my colleagues, in the mountains. I still got the chance to visit it. With a quad, we went up to the top, where I found more friendly cows and the cutest bathroom ever!

Enjoy your journeys,

Beatrice.

Suponho que já se tenham perguntado por onde ando e o que ando a fazer…Pois é! A vossa aventureira está de férias e escolheu a Áustria e a Hungria como destinos para os seus 14 dias. A convite de uns colegas de trabalho, vim passar uns dias ao país do Mozart, para conhecer outros sítios e realidades. Destino: Liezen, bem no meio da Áustria e de um vale montanhoso.

A paisagem remete para um anúncio da Milka, onde não, as vacas não são lilases mas os campos são verdes, as montanhas têmsempre neve e a vida é deliciosa como uma tablete de chocolate.

Desembarcámos do nosso navio em Budapeste e seguimos rumo à estação de comboios – Keleti (em Budapeste há várias). Três comboios e seis horas depois (quase tanto tempo quanto ir a Praga e não precisaríamos trocar de comboio), chegámos. O dia já começara a escurecer e grandes planos tínhamos para o dia seguinte.

Férias são férias e os guerreiros decidiram nada mais nada menos que desfrutar de um parque aquático, situado a 1h (de carro) de Liezen, em Bad Schallerbach (boa sorte a pronunciar estes nomes como deve ser). Adjacente a um resort de 4 estrelas chamado Paradiso, este parque aquático tem várias piscinas e escorregas para miúdos e graúdos. Uma das piscinas até tem um aquário no meio, para que possamos “nadar” com o nemo. Digamos que decidimos antecipar o nosso dia da criança.

Tive a oportunidade de visitar o hotel e posso dizer-vos que tudo o que toca a bem-estar e cuidados com o corpo, este hotel comporta. Desde massagens de vários tipos (aromáticas, sensoriais, etc), saunas de diferentes tipos, banhos turcos com diversos cheiros, solário, camas de água e salões de chá, jardins de inverno…enfim, já perceberam a ideia.

Aqui passámos o primeiro dia de férias e prolongámos a viagem com uma ida ao zoo de Schmiding, no dia seguinte. Aberto até às 19h no verão mas com última admissão às 17h, este zoo divide-se entre Aqua Zoo e animais terrestres. O bilhete pode ser adquirido para apenas um dos dois ou para um combo, que nos custou 16,70 euros por pessoa.



Eu fico sempre fascinada com as girafas. Este zoo não tem uma enorme variedade de animais, o que acredito que seja algo positivo, pois para o local onde se situa, não acredito que tenham um número significativo de visitas que sustente muitos animais. Tem, no entanto, uma boa apresentação da pré-história (porém apenas em alemão) com representação de várias espécies de dinossauros.

O tempo na Áustria não esteve o melhor. Abafado de dia e fresco de noite, não permitiu que pernoitássemos numa casinha de madeira, na montanha, de um dos meus colegas. Mas ainda a consegui visitar. De moto 4, lá fomos até ao topo, onde encontrei mais amigas vaquinhas e a casa de banho mais querida de sempre!

Boas aventuras,

Beatrice.

Passau

Passau is the first german to be visited on this itinerary and point of reference for all ships that sail through here. Is a relatively small town, in the lower region of Bavaria and crossed by three rivers: Danube (by us sailed), Inn and Ilz.

It is also known for less happy reasons: the floods. It is rare the year that this city doesn’t suffer from such an event and on the walls of the buildings we can find the marks left by the waters. Nothing that these people are no longer used, it’s just a normal year for them.

Ideal for hiking to the top of the fort or some outdoor shopping, Passau has activities that suit all tastes.

St. Stephen’s Cathedral, considered the largest Catholic church with an organ in the world, with the largest organ in Europe – 17,974 pipes and 233 stops. Here, you can listen to an organ concert from May to October at 12h, lasting about 30 minutes and tickets can be purchased at the entrance of the Cathedral.

Enjoy your journeys,

Beatrice.


Passau é a primeira cidade alemã a ser visitada neste itinerário e ponto de referência para todos os navios que por aqui passam. É uma cidade relativamente pequena, na região baixa da Baviera e atravessada por 3 rios: Danúbio (por nós navegado), Inn  e Ilz.

 

(photo from Internet)

(photo from Internet)

É também conhecida por razões menos felizes: as cheias. É raro o ano que esta cidade não sofra com tal acontecimento e nas paredes dos prédios podemos encontrar as marcas deixadas pelas águas. Nada que os habitantes não estejam já habituados, é só mais um ano normal para eles.

Ideal para se fazer caminhadas até ao topo do Forte ou para umas compras ao ar livre, Passau tem actividades para todos os gostos.

A Catedral de São Estevão, considerada a maior igreja Católica com orgão no Mundo, sendo este o maior da Europa – 17.974 tubos e 233 pedaleiras. Aqui, exibe-se um concerto de orgão, de Maio a Outubro às 12h, com duração de cerca de 30 minutos e os bilhetes podem ser comprados à entrada da Catedral.

Boas aventuras,

Beatrice.

Spring is yet to come

It’s been hard to keep updating the blog as fast as I wish since the internet connection is not cooperating with us. So, one advice, if you’re sailing away on a cruise: take your own internet stick!

Spring have only arrived this week to Austria and until last week was still snowing in Melk. It was beautiful to see the spectacular Abbey in a winter scenario, but there’s nothing like spring, with flowers sprouting.

It’s been a year since the last time I’ve been to Melk and it’s always a place with its own and particular charm. From the parking lot the staircase face us, with the 64 steps waiting to be stepped.

The entrance, oh the entrance…prepare your cameras, because it is stunning! By the way, you can photograph almost everywhere inside the Abbey, with the exception of one or two rooms. I’m always amazed at the churches ceilings, so this one was no exception.

It will take you about two hours to visit the entire Abbey and I can tell that, for the ones who have trouble walking, is better to take a slower pace. Is not that the route is hard, is just because there’s a lot to see and walk through. Wheelchairs are allowed.

Tomorrow Passau is waiting for us.

Enjoy your journeys,

Beatrice.

1425721_10152466895169421_8751372299180459448_n


Tem sido difícil manter o blog actualizado, tão rápido quanto gostaria, uma vez que a internet não está a cooperar connosco. Por isso, um conselho, se vão navegar num cruzeiro: levem a vossa internet convosco!

A Primavera tem chegado aos poucos à Austria e até à semana passada, ainda nevava em Melk. Foi lindo ver a espectacular Abadia num cenário de inverno, mas não há nada como a primavera com as flores a brotarem.

Já lá vai um ano desde a última vez que tive em Melk e é sempre um lugar com o seu próprio encanto. Do parque de estacionamento, a escadaria bem à nossa frente, com 64 degraus, aguarda ser pisada. A entrada, oh a entrada…preparem as câmaras, porque é belíssima! A propósito, podemos fotografar praticamente tudo, dentro da Abadia, com a excepção de uma ou duas salas. Eu fico sempre fascinada pelos tectos das igrejas, e este não foi excepção.

A visita demora cerca de duas horas e posso dizer-vos que, para os que têm alguma dificuldade em andar, é melhor levar a visita com calma. Não que o trajecto seja difícil, mas sim porque há muito que percorrer. As cadeiras de rodas são permitidas.

Amanhã Passau espera-nos.

Divirtam-se,

Beatrice

Melk Abbey

Melk Abbey ceiling